Indústrias com alto potencial poluidor com emissão de efluentes no lago Guaíba

Mapa elaborado pelo professor da disciplina de Jornalismo Ambiental da UniRitter, Roberto Villar Belmonte, como exemplo de pesquisa em banco de dados e visualização.  Ele mostra a posição geográfica das dez indústrias de alto potencial poluidor, de porte grande e excepcional localizadas em Porto Alegre e Guaíba, com emissão de efluente industrial tratado autorizada pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), o órgão ambiental do Rio Grande do Sul.

Alimentos orgânicos: qualidade de vida e sustentabilidade

Organicos capa

Seriam os orgânicos o alimento do futuro? A busca por estes alimentos e a qualidade de vida crescem cada vez mais.

Por Giulia Medeiros
Jornalismo Ambiental / Manhã

Vivemos em uma época na qual doenças derivadas de alimentos são muito frequentes, por isso estamos numa constante busca por novos hábitos de alimentação. Somos uma geração que questiona os problemas e que corre atrás de soluções e respostas, entre elas a alimentação orgânica. Mas o que este tipo de alimentação propicia? Ela é benéfica para saúde, bem-estar e ambiente? Continue lendo Alimentos orgânicos: qualidade de vida e sustentabilidade

O pedal conquista as ruas de Porto Alegre

A bicicleta é meio de empoderamento da mulher nas cidades – Crédito: Gisele Barbosa
A bicicleta é meio de empoderamento da mulher nas cidades – Crédito: Gisele Barbosa
As ruas e avenidas movimentadas da capital gaúcha servem de palco para diversos grupos de cicloativistas. De acordo com a Parceria Nacional Pela Mobilidade em Bicicleta, há uma revolução acontecendo nas cidades brasileiras. A integração deste meio de transporte à propulsão humana ao sistema de trânsito é pauta nos encontros do grupo Pedal das Gurias.

Por Gisele Barbosa
Jornalismo ambiental / Manhã

A bicicleta deixou de ser apenas um meio de lazer em Porto Alegre. De acordo com os resultados do Perfil do Ciclista Brasileiro, 85,8% dos ciclistas entrevistados utilizam a bicicleta na capital gaúcha como principal meio de transporte para ir até o local de trabalho. Continue lendo O pedal conquista as ruas de Porto Alegre

Onde você joga seu cigarro?

O cigarro, companhia para alguns, prejudica a saúde e suja a cidade - Crédito: Fernanda La Cruz
O cigarro, companhia para alguns, prejudica a saúde e suja a cidade – Crédito: Fernanda La Cruz
Veneno, amigo, tabaco vilão. As ruas também sofrem com o descarte incorreto e a má educação dos fumantes de Porto Alegre, maior capital geradora de bitucas de cigarro do Brasil. O que pode ser feito para limpar? Ou a solução é parar de fumar?

Por Fernanda La Cruz
Jornalismo Ambiental / Manhã

Porto Alegre reúne mais fumantes do que qualquer outra capital no Brasil. De acordo com a última Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), são mais de 670 mil pessoas. Para ter dimensão, imagine 11 estádios iguais à Arena do Grêmio lotados produzindo fumaça – fumaça e lixo, sem parar. Ao final do dia, o total acumulado é de um milhão e quinhentas mil bitucas de cigarro. Muita gente fuma: onde é que esse lixo vai parar? Continue lendo Onde você joga seu cigarro?

Mulheres das mãos verdes

No Sítio de Carolina, os cuidados com o plantio orgânico são redobrados já que a briga com lagartas e besouros é diária – Crédito: Arquivo Pessoal
No Sítio de Carolina, os cuidados com o plantio orgânico são redobrados já que a briga com lagartas e besouros é diária – Crédito: Arquivo Pessoal
Três mulheres transformaram seus ideais em negócio. Apostaram em suas crenças de uma relação amigável e respeitável com o planeta ao escolherem pelos produtos orgânicos e veganos. Cada uma com uma história diferente, mas com pontos em comum, as três defensoras do meio ambiente contam como iniciaram a trilhar esse caminho.

Por Débora Neto
Jornalismo Ambiental / Manhã

Após anos trabalhando com produção audiovisual, moda e publicidade, Paola Salerno encontrou seu verdadeiro amor quando decidiu transformar seu hobby em profissão. Formada em jornalismo e cinema, passou a infância frequentando a fazenda de seus avós maternos, onde ficou muito íntima da agricultura de subsistência – plantio em pequenas propriedades que utiliza métodos tradicionais de cultivo para garantir a sobrevivência do agricultor e de sua família – até sua fase adulta, quando foi se distanciando. O que ela não esperava era que, ao entrar na faculdade de gastronomia, em uma cadeira voltada para sustentabilidade, ela reencontraria suas raízes em um caminho sem volta. Continue lendo Mulheres das mãos verdes

Moradores de Guaíba convivem com o custo ambiental do progresso

Moradores do entorno da CMPC Celulose Riograndense reclamam do impacto ambiental da fábrica quadruplicada - Crédito: Isabelle Silva
Moradores do entorno da CMPC Celulose Riograndense reclamam do impacto ambiental da fábrica quadruplicada – Crédito: Isabelle Silva
Após quadruplicação da fábrica CMPC Celulose Riograndense, moradores e ambientalistas se veem preocupados com o futuro de Guaíba.

Por Isabelle Silva
Jornalismo Ambiental / Manhã

No ano de 2013, a cidade de Guaíba teve uma grande surpresa: a fábrica Celulose Riograndense aumentaria de tamanho. Um conjunto de iniciativas desenvolvidas com diferentes colaboradores locais, estaduais e federais trouxe para a cidade um grande salto no aspecto tecnologia e desenvolvimento.

A fábrica ofereceu um número significativo de empregos e projetos sociais. Porém, após a criação da segunda fábrica, aumentando a produção de celulose branqueada de eucalipto de 450 mil toneladas para 1,75 milhão de toneladas anuais, cresceu também a preocupação entre os moradores das redondezas. Continue lendo Moradores de Guaíba convivem com o custo ambiental do progresso

Fast fashion x slow fashion

Campanha do movimento Fashion Revolution Brasil
Campanha do movimento Fashion Revolution Brasil
A problematização dos processos da cadeia produtiva está despertando para um consumo mais consciente.

Por Caroline Correa Nunes
Jornalismo Ambiental / Manhã

O fast fashion é um padrão de negócio cada vez mais utilizado pelo mercado mundial da moda. Este conceito é designado às marcas que produzem em larga escala, lançando diversas novidades ao longo do ano. Ao contrário do modelo tradicional, onde eram apresentadas apenas duas coleções – outono-inverno e primavera-verão -, o fast fashion investe em minicoleções – ao longo das estações – criadas e produzidas rapidamente, com base nas tendências e desejos dos consumidores.

Enquanto este modelo de produção garante uma gama maior de variedades e oferece preços finais mais baixos, pagamos um preço alto quando se trata de questões sociais e ambientais ligadas aos processos de produção da indústria têxtil. Continue lendo Fast fashion x slow fashion

Casas sustentáveis em Porto Alegre

Com pouco investimento, claraboias integram o design com o meio ambiente permitindo a entrada de mais luz, o que acaba reduzindo a conta de energia elétrica - Crédito: Renan Castro
Com pouco investimento, claraboias integram o design com o meio ambiente permitindo a entrada de mais luz, o que acaba reduzindo a conta de energia elétrica – Crédito: Renan Castro
Como alguns gaúchos transformaram suas residências para reduzir os danos ao meio ambiente.

Por Renan Castro
Jornalismo Ambiental / Manhã

Já imaginou uma refeição com alimentos provindos de plantações do próprio pátio? Dar finalidade para a água da chuva e usá-la em seu lar? E reduzir a conta de luz com pequenas reformas em casa? Diversos porto-alegrenses saíram da zona de conforto e aplicaram suas ideias em projetos que já estão fazendo diferença nas despesas do fim do mês e, em longo prazo, vão reduzir os danos ao meio ambiente. São pequenas medidas, mas que estão mudando a vida daqueles que estão envolvidos nesta causa. Continue lendo Casas sustentáveis em Porto Alegre

Prato diário de veneno

Ao optar por uma alimentação mais saudável, não se questiona o que é colocado no prato – Crédito: Camila Emil
Os seres humanos colocaram em seus alimentos armas químicas utilizadas na Segunda Guerra Mundial. O Brasil é o maior consumidor desses venenos. Consulta pública sobre o uso e os riscos associados aos agrotóxicos foi lançada para elaboração de uma política pública sobre o tema em Porto Alegre.

Por Camila Olszewski Emil
Jornalismo Ambiental / Manhã

O uso de agrotóxicos no Brasil tem aumentado. Desde 2008, o país ocupa o primeiro lugar no ranking de maior consumidor. Muitas substâncias que já foram proibidas em outros lugares do mundo, ainda são permitidas em solo brasileiro. Segundo análise realizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 2012, 66% dos alimentos continham resíduos de agrotóxicos.

Entre 2007 e 2014, foram registrados 37.147 casos de intoxicações por produtos químicos, segundo dados da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). Já o IBGE aponta que 64,1% dos venenos aplicados foram considerados perigosos e 27,7 muito perigosos no ano de 2012. Os dados que revelam as ameaças desse veneno para a saúde humana têm assustado os agentes de saúde. Continue lendo Prato diário de veneno

Doença no ar de Porto Alegre

Bioindicadores revelam a poluição atmosférica da capital gaúcha -  Crédito – Marysol Cooper
Bioindicadores revelam a poluição atmosférica da capital gaúcha –  Crédito – Marysol Cooper
Pesquisadores da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre decidem estudar as consequências da poluição atmosférica na saúde de alunos de escolas municipais. Até então, os estudos eram baseados em bioindicadores vegetais.

Por Marysol Cooper
Jornalismo ambiental / Manhã

Conhecer a qualidade do ar na capital gaúcha se tornou tarefa para pesquisadores da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), que desde 2004, em conjunto com um grupo de estudos de São Paulo, busca alternativas para diminuir tanta poluição. O Laboratório de Estresse Oxidativo e Poluição Atmosférica da Universidade conta com o apoio de professores e alunos dos cursos de saúde para levar o projeto adiante. Continue lendo Doença no ar de Porto Alegre