Que tal trocar resíduos por hortigranjeiros?

Na edição de maio, os alimentos trocados foram alface e aipim - Crédito: Laís Vargas
Na edição de maio, os alimentos trocados foram alface e aipim – Crédito: Laís Vargas
O Projeto Troca Solidária, realizado pela Prefeitura de Porto Alegre em parceria com o Sindicato Rural da cidade, prevê a troca de resíduos recicláveis por hortigranjeiros. Na edição de maio, a reportagem do Blog de Jornalismo Ambiental da UniRitter foi até a Vila Maria da Conceição conferir como funciona essa troca.

Por Laís Vargas
Jornalismo Ambiental / Noite

Inspirada nos projetos Troca Solidária de Caxias do Sul e Câmbio Verdade de Curitiba, a prefeitura de Porto Alegre implantou uma iniciativa semelhante para combater o descarte irregular de lixo e estimular a separação correta dos resíduos recicláveis e orgânicos nas comunidades da capital gaúcha. Continue lendo Que tal trocar resíduos por hortigranjeiros?

Um domingo no Parque Estadual de Itapuã

Parque Estadual de Itapuã - Créditos: Grazielle Corrêa
Parque Estadual de Itapuã – Créditos: Grazielle Corrêa
O verde das árvores, o som do Guaíba ao fundo, os pássaros sobrevoando a paisagem são convites para conhecer o Parque Estadual de Itapuã, localizado no município de Viamão, a 57 quilômetros de Porto Alegre.

Por Grazielle Corrêa
Jornalismo Ambiental / Noite

Para ter acesso ao Parque Estadual de Itapuã, o visitante tem que comprar o ingresso vendido em uma casa no alto de uma lomba logo na entrada à esquerda. Antes terá que passar por uma guarita e ser revistado. No alto dessa lomba o que se vê é uma paisagem de tirar o fôlego. A vista é impressionante. O Guaíba surge ao fundo e abraça aquela que sem dúvidas é a paisagem mais bonita que eu já vi na Região Metropolitana de Porto Alegre. Continue lendo Um domingo no Parque Estadual de Itapuã

A polêmica revitalização do Cais Mauá

Movimento Cais Mauá de todos (foto) alega irregularidades no projeto. Governo, no entanto, discute contrato e pretende iniciar obras - Crédito: João Pedro Zetterman
Movimento Cais Mauá de Todos (foto) alega irregularidades no projeto. Governo, no entanto, discute contrato e pretende iniciar obras – Crédito: João Pedro Zetterman

Uma pauta – a revitalização do Cais Mauá de Porto Alegre -, três olhares de alunos da disciplina de jornalismo ambiental: João Pedro Zettermann apresenta a polêmica; Juliana Pereira põe mais lenha na fogueira conversando com Katia Suman; e Rafaela Barboza resgata a história da área. 

Por João Pedro Zettermann
Jornalismo Ambiental / Noite

Prometida para a Copa do Mundo do Brasil, em 2014, a revitalização do Cais Mauá de Porto Alegre (RS) sequer saiu do papel. Para debater o atraso das obras, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul criou um grupo de trabalho para discutir o contrato e, finalmente, iniciar a revitalização. Continue lendo A polêmica revitalização do Cais Mauá

A produção orgânica do Capororoca

Silvana Bohrer abre as portas do Capororoca para o público - Crédito: Gabriel Ribeiro
Silvana Bohrer abre as portas do Capororoca para o público – Crédito: Gabriel Ribeiro
Sem a utilização de agrotóxicos que prejudicam a saúde e o ambiente, o sítio Capororoca localizado no bairro Lami, zona rural de Porto Alegre (RS), produz orgânicos para os moradores da capital gaúcha.

Por Gabriel Ribeiro
Jornalismo Ambiental / Manhã

A propriedade da engenheira agrônoma Silvana Bohrer produz alimentos orgânicos e ecológicos no bairro Lami, na zona rural de Porto Alegre. Ela, sua irmã Luciana Silva e seus familiares comercializam os alimentos que produzem na Feira dos Agricultores Ecologistas (FAE), e também abrem suas portas para o público conhecer de perto o sítio Capororoca. Continue lendo A produção orgânica do Capororoca

Lixeiro não, limpador

O curso 'Chega de lixo: trilhando os caminhos da preservação' é destinado a mestres e líderes para disseminação da educação ambiental – Crédito: Gisane Gomes / DMLU
O curso ‘Chega de lixo: trilhando os caminhos da preservação’ é destinado a mestres e líderes para disseminação da educação ambiental – Crédito: Gisane Gomes / DMLU
Dia a dia toneladas de resíduos sólidos são produzidas e a falta de responsabilidade contamina a capital gaúcha. Com projetos de educação ambiental, o Serviço de Assessoria Socioambiental do Departamento de Limpeza Urbana de Porto Alegre (DMLU) procura conscientizar o cidadão porto-alegrense.

Por Bruno Quiroga
Jornalismo Ambiental / Manhã Continue lendo Lixeiro não, limpador

Projeto que muda regras para depósitos de agrotóxicos é desarquivado no legislativo gaúcho

Depósito de agrotóxicos localizado na avenida Saturnino de Brito em Cruz Alta (RS) - Crédito: Sinara Sandri
Depósito de agrotóxicos localizado na avenida Saturnino de Brito em Cruz Alta (RS) – Crédito: Sinara Sandri

Por Priscila Valério
Jornalismo Ambiental / Noite

É impensável consumir o equivalente a um galão de cinco litros de veneno a cada ano. No entanto, essa é a quantidade de agrotóxico que os brasileiros ingerem anualmente, ressalta o Instituto Nacional do Câncer (Inca), órgão do Ministério da Saúde. A presença de resíduos de agrotóxicos não ocorre apenas em alimentos in natura, mas também em produtos industrializados, como biscoitos, salgadinhos, pães e outros que têm como ingredientes o trigo, o milho e a soja, alerta o Inca. Mesmo com todos os danos que causam à saúde e ao meio ambiente, os agrotóxicos são usados em grande escala para evitar prejuízos às plantações, causados por insetos, doenças, pragas e também para apressar a colheita.

O uso de agrotóxicos acontece em grandes e pequenas plantações. Mas os estabelecimentos menores têm sofrido prejuízo por não se encaixarem nas regras exigidas pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), argumenta o deputado estadual gaúcho Gilmar Sossella (PDT). Com o objetivo de resolver este problema, ele apresentou o Projeto de Lei 32/2015 que elimina a exigência de uma distância mínima entre os depósitos de agrotóxicos e residências, em zonas rurais, urbanas mistas, comerciais ou industriais, atualmente de 30 metros. Continue lendo Projeto que muda regras para depósitos de agrotóxicos é desarquivado no legislativo gaúcho

Duas décadas sem agrotóxico no sítio do seu Belmonte

Belmonte Schunck produz orgânicos em Nova Hartz e vende na feira de produtores ecologistas do Menino Deus, em Porto Alegre – Crédito fotos: Mariela Moraes Kessler
Colher as verduras, legumes e frutas na sexta-feira. Sair de casa às 4h30 da manhã de sábado para chegar às 6h30, montar sua banca e às 7 horas começar a vender seus produtos orgânicos. Há 21 anos essa é a rotina do produtor agrícola Belmonte Schunck, 68 anos, que toda semana está presente na Feira Ecológica do bairro Menino Deus, em Porto Alegre (RS).

Por Mariela Moraes Kessler
Jornalismo Ambiental / Noite

Seu Belmonte, como é carinhosamente chamado pelos seus clientes, mora há 66 anos em um sítio na zona rural do município de Nova Hartz, local onde mantém sua plantação 100% orgânica. “Toda vida trabalho com isso, nunca usei agrotóxico em nenhum produto”, conta o agricultor. Pai de três filhas, ele diz já saber que elas não se interessam em seguir o trabalho da família: “Hoje os jovens já não querem mais saber dessas coisas, querem estudar fora e morar na cidade”. Continue lendo Duas décadas sem agrotóxico no sítio do seu Belmonte

Biogás do lixo urbano vai gerar energia no aterro de Minas do Leão

A reportagem do Blog de Jornalismo Ambiental da UniRitter acompanhou a cerimônia de inauguração simbólica da Usina Biotérmica Recreio, realizada no dia 2 de junho em Minas do Leão (RS) – Crédito: Divulgação
A reportagem do Blog de Jornalismo Ambiental da UniRitter acompanhou a cerimônia de inauguração simbólica da Usina Biotérmica Recreio, realizada no dia 2 de junho em Minas do Leão (RS) – Crédito: Divulgação
Utilizando uma tecnologia apresentada como a mais avançada disponível no mundo, a Usina Biotérmica Recreio será a primeira a produzir energia a partir do gás metano de um aterro sanitário no Rio Grande do Sul.

Por Rafaela Amaral*
Jornalismo Ambiental / Noite

Localizada em Minas do Leão (RS), a 90 quilômetros de Porto Alegre, com investimento de R$ 30 milhões do Grupo Solví e da Copelmi Mineração, a Usina Biotérmica Recreio produzirá inicialmente 8,55 MW, podendo chegar a 15 MW, o suficiente para abastecer uma cidade com 200 mil habitantes, gerando energia mais limpa através do resíduo urbano depositado no Centro de Resíduos do Recreio, aterro sanitário administrado pela Companhia Riograndense de Valorização de Resíduos (CRVR), uma das empresas subsidiárias do Grupo Solví. Continue lendo Biogás do lixo urbano vai gerar energia no aterro de Minas do Leão

“Um dos maiores desafios da Agapan atualmente é a censura empresarial”

Alfredo Gui Ferreira, presidente da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) - Crédito: Pedro Montiel
Alfredo Gui Ferreira, presidente da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) – Crédito: Pedro Montiel
Você conhece a Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural? Criada em 1971, a Agapan foi uma das primeiras ONGs a lutar pela proteção do meio ambiente no Brasil. Nesta entrevista, o atual presidente da entidade, Alfredo Gui Ferreira, fala das principais dificuldades da luta ambiental e defende a necessidade de um órgão ambiental forte no Rio Grande do Sul.

Por Pedro Montiel
Jornalismo Ambiental / Manhã

A Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural nasceu em 1971, contexto complicado da ditadura militar, em meio a manifestações reprimidas onde a ecologia foi a válvula de escape. Os militares desconheciam e achavam insignificante a militância que ali começava, enquanto a mídia cobria com grande eloquência já que era um assunto livre dentre os censurados da época. A partir daí ganhou força e se estabeleceu como referência nacional em questões ambientais. Continue lendo “Um dos maiores desafios da Agapan atualmente é a censura empresarial”

Ativismo e pé no barro: a história de Eduino de Mattos

Ambientalista gaúcho Eduino de Mattos - Crédito: Arquivo Pessoal
Ambientalista gaúcho Eduino de Mattos – Crédito: Arquivo Pessoal
Atuando como ativista ambiental e fotógrafo, um aposentado de 69 anos se embrenha em qualquer tema que possa afetar a vida das pessoas, não se limita aos rótulos e com certeza não tem medo de cara feia.

Por Jean Lazarotto
Jornalismo Ambiental / Noite

Fazendo uma pesquisa sobre os rios que cortam a cidade de Porto Alegre, descobri o vídeo de um senhor narrando a situação do arroio Cavalhada. Vi um personagem solitário que denunciava as más condições ambientais. Nas matérias relacionadas, encontrei mais vídeos semelhantes e um vasto currículo: participação em assembleias públicas e reuniões de órgãos ambientais, comentários indignados retrucando matérias publicadas pelos gigantes da mídia, acervos fotográficos e denúncias, muitas denúncias de irregularidades ambientais e descaso com a população. Eu havia “descoberto” Eduino de Mattos, e precisava ouvir sua história. Continue lendo Ativismo e pé no barro: a história de Eduino de Mattos