A Unidade de Triagem e Compostagem de Porto Alegre transforma lenhas de podas em adubo

Máquina montando as leiras (monte) - Crédito: Dan Gonçalves
Máquina montando as leiras (monte) – Crédito: Dan Gonçalves

A Unidade de Triagem e Compostagem de Porto Alegre opera na finalização de todo o lixo da capital. São centenas de resíduos descarregados diariamente em uma balança eletrônica.

Por Dan Gonçalves
Jornalismo Ambiental / Noite

A reportagem de Jornalismo Ambiental, do blog da Uniritter, visitou a UTC (Unidade de Triagem e Compostagem) de Porto Alegre, que está localizada no Bairro Lomba do Pinheiro, na Estrada Afonso Loureiro Mariante. O local foi fundando em julho de 2000. Nestes 16 anos, ela é a única em toda capital. Quando a equipe chegou no local não havia homens trabalho no momento, apenas uma máquina operava um monte de podas, preparando-as para a compostagem.

Na UTC são sete pessoas trabalhando na parte operacional da compostagem. Deste quadro, cinco são da Cootravipa e dois concursados. Além destes, ainda tem a engenheira ambiental Mariza Reis, responsável pela parte técnica, e Manoel Antônio, que cuida de toda parte operacional da unidade.Manoel contou sobre os horários em que a equipe trabalha:

“Iniciamos as 07:00 horas da manhã e terminados às 15:00 da tarde. Têm os dias em que temos plantões que são segunda-feira e quinta-feira, que trabalhamos até às 19h. Os sábados intercalamos: em um trabalhamos até ao meio-dia no outro até às 15h”, certifica Manoel Antônio.

A compostagem é uma forma de reaproveitar os resíduos orgânicos, gerando adubo para plantações.  A base do composto é a parcela dos resíduos domiciliares, das sobras de alimentos, do resto de jardins, entre outros. O processo é a decomposição natural dessa mistura.

Em baixo temos o esquema:

Crédito: Site da Prefeitura de Porto Alegre
Crédito: Site da Prefeitura de Porto Alegre

Segundo a engenheira Química do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), Mariza Reis, responsável pela parte técnica da UTC desde 2009, a compostagem não é mais com resíduos orgânicos e sim feita apenas com podas de árvores, devido às leis ambientais e também à coleta seletiva. O lixo de Porto Alegre, nos dias atuais, é recolhido e distribuído para 16 unidades de triagem e mais a UTC. Todo resíduo é separado e passa pela estação de transbordo, que fica no mesmo local da unidade de compostagem. Depois, é separado e vai para o aterro sanitário, localizado no munícipio de Minas de Leão, a 105 Km da capital:

“Mudou um pouco a situação aqui, porque aumentou muito o resíduo da coleta seletiva. Hoje fazemos a compostagem basicamente de podas urbanas, porque mudou a legislação ambiental, então exige uma cobertura da parte de compostagem para tratar outros resíduos orgânicos, por isto estamos trabalhando apenas com podas”, afirma Mariza Reis.

 

Leira (monte), que é feito na UTC - Crédito: Dan Gonçalves
Leira (monte), que é feito na UTC – Crédito: Dan Gonçalves

Além das mudanças das leis em 2009, a maneira de não deixar a UTC sem utilidade é também pelo fechamento de aterros que recebiam as podas. A solução encontrada foi a compostagem com as podas:

“Porque em 2009 fechou os aterros que recebiam as podas urbanas, então nós tivemos aqui espaço para recebê-las”, ratifica Mariza Reis.

Com as mudanças, as etapas também se alteraram:

A 1°  recolhe as podas e as mistura com a terra preta para fazer montes misturadas que são chamadas de leiras.

O 2° passo é esperar naturalmente estas leiras virar adubo, o que demora cerca de seis meses a oito messes.

Já o 3°passo é recolher esse material para depois passar por uma peneira, que já é o composto final.

A compostagem pronta para uso - Crédito: Dan Gonçalves.
A compostagem pronta para uso – Crédito: Dan Gonçalves.

Segundo dados fornecidos pelo DMLU, o total de podas recolhidas é de 400 toneladas por mês. Deste número, 200 toneladas são destinadas a compostagem, onde é produzido 100 toneladas por mês de adubo.

O destino final desse adubo é a venda, para qualquer cidadão comprar. Para fazer a compra basta entrar em contanto com o DMLU. O dinheiro arrecado é para investimentos na cidade.

A compostagem de lixo orgânico também pode ser preparada em casa. Para fazê-la, o cidadão pode encontrar mais informações no site da prefeitura.

A região tem 10 hectares de terras a disposição do DMLU, onde se encontra também a Unidade de Triagem (UT). Esta unidade é responsável por receber o lixo domiciliar e separar o lixo orgânico. No local se recebe parte do lixo hospitalar. Devido ao grande tamanho da área, é possível realizar todos esses procedimentos. Dezenas de caminhões passam diariamente nas unidades, tanto para descarregar quanto para carregar dezenas de quilos de lixo e podas de árvores recolhidas pela SMAM.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *