Sufoco para monitorar a qualidade do ar de Porto Alegre

Faixa escura que coroa de poluição a região norte da capital gaúcha em um dia de inversão térmica, fenômeno que dificulta a dispersão dos poluentes atmosféricos. – Crédito: Aline Luísa Bisol
O Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) entende que os estados são obrigados a fazer o monitoramento do ar. No Rio Grande do Sul, a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) é a responsável legal pelo controle de poluição, porém, os boletins que deveriam ser atualizados diariamente apresentam ‘dados insuficientes’ no site, pois todos os equipamentos estaduais estão sucateados.

Por Aline Luísa Bisol, Cissa Grissuti e Eduardo Müller
Jornalismo Ambiental – Campus Fapa / Noite

“Se tu perguntar hoje qual a situação da qualidade do ar de Porto Alegre, a Fepam não tem condições de responder”. A revelação é do coordenador da Rede Ar do Sul, chefe do PROAR da Fundação Estadual de Proteção Ambiental, Márcio D´Ávila. “O governo enxugou recursos que não sejam específicos do seu plano de governo. Dependemos dos interesses políticos”, lamenta, referindo-se ao repasse da verba de R$ 1,5 milhão aprovada pelo Fundo Estadual do Meio Ambiente, em 2015, que foi revogada. Continue lendo Sufoco para monitorar a qualidade do ar de Porto Alegre