Apesar das dificuldades, insista: vá de bike

Meio de transporte colabora com o meio ambiente, diminui o trânsito e além de ser barato ainda faz bem para a sua saúde.

Aluna do curso de Administração da UniRtter Liziane Rossi - Crédito: Christinne Rossi
Aluna do curso de Administração da UniRtter Liziane Rossi – Crédito: Christinne Rossi

Por Christinne Rossi
Jornalismo Ambiental / Noite

Uma das reclamações mais comuns em relação à rotina da semana é o trânsito. Seja de carro, trem, ônibus ou motocicleta, o estresse em um engarrafamento ou numa fila de estacionamento é quase unanimidade. Por motivos como estes é que o número daqueles que optam por utilizar a bicicleta como meio de transporte está se tornando cada vez mais expressivo em Porto Alegre.

As vantagens são diversas: desde a agilidade e praticidade até o baixo custo e benefícios à saúde. O uso da bicicleta tem sido uma escolha que aumenta ainda mais devido à criação de diversos quilômetros de novas ciclovias pela cidade nos últimos anos. Tomando as medidas de segurança como usar capacete, retrovisor e luzes, esta é uma alternativa bastante benéfica não apenas para o meio ambiente, mas também para a saúde.

Ainda há muitas melhorias necessárias para garantir uma maior segurança para o ciclista no trânsito, em uma enquete feita por grupos de ciclismo Pedal Zona Sul, Pedal das Gurias, PedAlegre e Planeta Bicicleta no Facebook, os principais problemas apontados pelos ciclistas são a falta de ciclovias de qualidade e o desrespeito por parte dos motoristas. “Tenho 65 anos, pedalo há 50. Já fui atropelado 9 vezes, em todas essas ocasiões os motoristas que causaram os acidentes fugiram” conta o ciclista Orlando de Souza do grupo Planeta Bicicleta.

Segundo Eduardo Di Franco, que faz uso da bicicleta no deslocamento para o trabalho, é necessário que haja mudanças tanto nas atitudes dos motoristas, quanto dos próprios ciclistas, “Eu vejo ciclistas sem equipamento de segurança, não respeitando as sinalizações e andando na contramão” conta o integrante do grupo PedAlegre.

De acordo com a assessoria da ONG Mobicidade, a consciência e o respeito no trânsito são fatores determinantes para que o uso da bicicleta tenha maior adesão, seguido de infraestrutura de qualidade. “A educação entre motoristas e ciclistas tem melhorado, com o maior número de bicicletas na rua, existe quase uma obrigação de ‘coexistência’, porém as ciclovias são necessárias para oferecer maior segurança ao ciclista. ”

Além de ser uma alternativa ao trânsito da capital – que se intensifica a cada ano – a bicicleta é um meio de transporte que contribui com o condicionamento físico de quem a utiliza com frequência. O Journal of Epidemiology & Community Health publicou um estudo desenvolvido pela universidade de Essex, na Inglaterra com cerca de 4 mil pessoas apontam que aqueles que optam por utilizar a bicicleta como meio de transporte perderam de um a sete quilos durante um período de um ano.

Outra pesquisa, desenvolvida por cientistas da ClemsonUniversity, na Carolina do Sul analisou mais de 13 mil pessoas e mostrou que as pessoas que optam por se locomover de bicicleta são os mais felizes. Além da saúde de quem pedala, a bicicleta colabora com a menor utilização do solo (em relação à necessidade de espaço comparado a um automóvel, que precisa de mais espaço para manobra, garagem, estacionamento), e menor consumo de matérias primas como metal e borracha.

Bicicleta naUniRitter

A aluna do curso de administração da UniRitter Liziane Rossi utiliza a bicicleta como principal meio de transporte para as aulas: “Quando eu venho de ônibus eu tenho que esperar, sinto sono, e demoro 20 minutos a mais, de bike eu vou mais rápido, fico mais desperta porque tenho que prestar atenção no trânsito, opto pelo trajeto que é menos íngreme, ativo o Strava que é um app que registra meus trajetos e desempenho na corrida e ainda faço exercício físico”.

Curiosidades

Segundo reportagem do The Green Post, uma escola pública de ensino médio na cidade italiana de Aprilia concede pontos nas notas dos alunos que vão para a aula de bicicleta. O programa chama-se bike control e foi idealizado por um estudante.

Uma análise feita pela prefeitura de Copenhague mostrou que um carro gera um gasto para a cidade de R$ 0,30 a cada quilômetro percorrido enquanto uma bicicleta significa um rendimento de R$0,70 para a cidade. Isso porque neste cálculo são levados em consideração desde o menor impacto ambiental até a economia em atendimentos e tratamentos de doenças ligadas ao sedentarismo.

Benefícios

  • Ajuda a diminuir o volume de carros no trânsito
  • Tem baixo custo
  • Não precisa de combustível
  • Ajuda a prevenir problemas cardíacos e a osteoporose
  • Economiza tempo: uma pessoa que vai para a aula o para o trabalho de bicicleta não precisa gastar mais tempo do seu dia indo na academia, além de economizar o dinheiro de mensalidade.
  • 20 minutos de bike consomem 160 calorias
  • Fácil de estacionar
  • Fortalece os músculos
  • Aumenta a circulação sanguínea e estimula o raciocínio
  • Melhora a auto-estima

Uma ideia sobre “Apesar das dificuldades, insista: vá de bike”

  1. Além dos benefícios ambientais são amplamente conhecidos os efeitos positivos do exercício na saúde física e mental. Em doenças específicas, como por exemplo na fribromialgia, a atividade física reduz de forma significativa a sensação de dor. O exercício também é recomendado para regular os ciclos de sono, frequência cardíaca, pressão arterial, etc. Excelente post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *