Braskem apresenta Polo de Triunfo a estudantes de jornalismo ambiental

Estudantes de jornalismo da UniRitter de Porto Alegre percorreram de ônibus parte do Polo Petroquímico de Triunfo – Crédito: Roberto Villar Belmonte
Alunos da disciplina de jornalismo ambiental do campus Fapa da UniRitter participaram de uma visita técnica ao Polo Petroquímico de Triunfo promovida pela Braskem no dia 2 de junho, véspera da Semana do Meio Ambiente.

Por Niége Moreira
Jornalismo Ambiental – Campus Fapa / Manhã

É a “Braskem das pessoas” e “do meio ambiente” que os alunos das turmas de jornalismo ambiental, do Centro Universitário Ritter dos Reis foram convidados a conhecer, segundo o engenheiro químico João Ruy Dornelles Freire, diretor de Assuntos Institucionais da Braskem.

Sob o céu de uma manhã nublada, com temperatura média de 15Cº na cidade de Porto Alegre, 34 estudantes da disciplina de jornalismo ambiental partiram rumo a cidade de Triunfo, para visita ao Polo Petroquímico. No ônibus providenciado pela Braskem, 22 eram do turno da manhã e 12 da noite.

Acompanharam o grupo o professor da cadeira de jornalismo ambiental, Roberto Villar Belmonte, o coordenador do curso de jornalismo, Leandro Olegário dos Santos, e o técnico do laboratório de comunicação Fayller Aprato, que registrou as imagens para reportagem da Agência INQ realizada por Lucia Rosa da Silva.

A viagem foi tranquila, levou uma hora até o destino. O clima era de expectativa para alunos e professores, que estariam adentrando em um ambiente de aprendizado econômico, químico e ecológico. A chance de entender como funciona um polo petroquímico, pela ótica de técnicos envolvidos com este processo.

Operação Lava Jato

A Braskem é uma empresa petroquímica do Grupo Odebrecht e da Petrobras e está no centro da Operação Lava Jato. O assunto é tratado de frente dentro da empresa. Foi o tema escolhido por João Freire, o diretor de Assuntos de Relações Institucionais da empresa, para iniciar sua fala de boas-vindas.

“Queria deixar isso bem claro para vocês. A Braskem que aparece nos jornais, envolvida em Lava Jato, é uma Braskem. Essa Braskem que vocês vão ver hoje é a Braskem do meio ambiente, que controla os seus processos, que controla seus eco indicadores, seus indicadores de eficiência energética, consumo de água, emissões. Essa é a verdadeira Braskem. A Braskem das pessoas, dos meus colegas de engenharia, meus colegas de operação. Essa é a Braskem. Algumas pessoas fizeram coisas erradas e não estão mais na Braskem”.

João Ruy Dornelles Freire apresentou a Braskem para turma de jornalismo da UniRitter – Crédito: Niége Moreira

Freire também apresentou dados sobre o negócio da empresa. Segundo ele, apenas 4% do petróleo é utilizado pela indústria do plástico, os 96% restantes são para geração de energia. Informou ainda que a Braskem tem incluído cada vez mais gás de petróleo no seu processo produtivo para competir com a indústria do plástico dos Estados Unidos que tem utilizado o gás de xisto como matéria prima. Apresentou também a planta de eteno verde que utiliza etanol da cana-de-açúcar.

Estudantes de jornalismo da UniRitter conheceram a sala de controle da planta de eteno verde da Braskem em Triunfo (RS) – Crédito: Roberto Villar Belmonte

Criada em agosto de 2002 pela integração de seis empresas da Organização Odebrecht e do Grupo Mariani, a Braskem é, hoje, a maior produtora de resinas termoplásticas nas Américas e a maior produtora de polipropileno nos Estados Unidos.

Sua produção é focada nas resinas polietileno (PE), polipropileno (PP) e policloreto de vinila (PVC), além de insumos químicos básicos como eteno, propeno, butadieno, benzeno, tolueno, cloro, soda e solventes, entre outros.

A segurança de todos que circulam pelo Polo é primordial, como demonstrou a equipe da Braskem. Os visitantes foram devidamente identificados, através de um crachá individual que deveria os acompanhar durante toda a visita.

“Liderança, segurança e meio ambiente. Essas plantas são extremamente focadas na gestão primordial, nos cuidados com as pessoas, com o meio ambiente. Essa preocupação é todo dia, toda hora. Se aqui a gente não trabalha todo dia a cultura da segurança, então não se muda a mentalidade. É no indivíduo, ele próprio precisa querer mudar. Não adianta ter, apenas, regras”, ressalta Freire.

Alunas do curso de jornalismo ambiental rumo a Triunfo. Da esquerda para a direita: Leilane Beck, Niége Moreira, Thaís Rodriguez e Ana Hoffmann – Crédito: Leilane Beck
Estação ambiental

Os alunos foram recebidos na área de preservação ecológica da Braskem, são 68 hectares ao lado das plantas industriais. O espaço possui 26 anos de existência e está presente no catálogo de museus do Estado do Rio Grande do Sul.

Foram mais de 3mil espécies catalogadas. O monitoramento das espécies vinha sendo feito pela Fundação Zoobotânica, mas em função do processo de extinção da FZB foi suspenso em 2017.

Ao longo desse monitoramento, foram descobertas três novas espécies de aranhas. Um legado para a ciência. Algumas espécies encontradas na estação são vulneráveis a extinção.

A monitora Sabrina Sspindler da Cruz, que acompanhou os alunos da UniRitter, resume a estação ambiental como um ponto de equilíbrio entre a indústria e toda a produção industrial que existe no polo petroquímico e o meio ambiente.

“A sede estação foi o primeiro escritório quando tiveram início as obras de construção do polo. Era o local onde ocorriam todas as discussões referente a planta de construção”, conta Sabrina.

Sabrina Spindler da Cruz, monitora da estação ambiental Brakem – Crédito: Niége Moreira

Um dos focos da estação ambiental é o projeto de educação ambiental. A intenção é atender crianças de primeiro ao nono ano do Ensino Fundamental, principalmente de escolas dos municípios do entorno: Montenegro, Nova Santa Rita e Triunfo. A Braskem disponibiliza um ônibus para buscar e levar os alunos às escolas.

Conduzidos pela monitora Sabrina da Cruz, os estudantes realizaram uma rápida visita ao museu de ciências. Por fim, foi possível realizar uma breve visita ao rio Cai, próximo do museu.

Rio Caí, um dos formadores do lago Guaíba, corre ao lado do Polo Petroquímico de Triunfo (RS) – Crédito: Leilane Beck

Logo após o meio dia, os estudantes regressaram à Porto Alegre. Pensativos sobre as informações que receberam da Braskem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *