Arquivo da tag: Viamão

“Não adianta colocar a culpa um no outro, a ETE tem que funcionar”

Estação de Tratamento de Esgoto de Alvorada está com obra concluída desde dezembro de 2016 – Crédito: Leonardo Ferreira

Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Alvorada ainda não está em operação. Previsão para funcionamento, segundo a Corsan, era abril de 2017.

Por Jéssica Laguna, Leonardo Ferreira e Leonardo Nunes
Jornalismo Ambiental campus Fapa / Noite

A nova Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) vai beneficiar os moradores de Alvorada e Viamão, mas ainda não entrou em operação. A obra, iniciada em 2009, tinha previsão de término em 2014 e só foi finalizada em dezembro de 2016. A estação localizada no município de Alvorada tinha como previsão para iniciar o funcionamento o mês de abril de 2017. A licença de operação concedida pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) já está em vigor, mas a ETE ainda não está funcionando.

Em visita à ETE, junto com o engenheiro responsável por fiscalizar a obra, Wilson Leipnitz, 61 anos, a reportagem do Blog de Jornalismo Ambiental da UniRitter percebeu que o local se encontra em estado de abandono, com grama alta e vidros quebrados. A explicação dada pelo engenheiro foi a enchente ocorrida em 2015, que alagou tudo. Os guardas abandonaram seus postos, o que permitiu a invasão dos moradores da região. Ocorreram depredações e o furtos de equipamentos.

Continue lendo “Não adianta colocar a culpa um no outro, a ETE tem que funcionar”

“Situação temporária” há mais de um ano

Montanha de lixo avança sobre mata nativa com focos constantes de fumaça – Crédito: Irajá Godoi da Silva / Arquivo Pessoal
Passado um ano do incêndio de grandes proporções que atingiu o Aterro Controlado do Passo do Morrinho, em Viamão, as condições do antigo lixão seguem apresentando irregularidades.

Por Aline Luísa Bisol, Eduardo Muller e Rarissa Grissuti
Jornalismo Ambiental campus Fapa / Noite

Ninguém quer morar perto de um aterro sanitário. Muito menos de um lixão. Aterros Sanitários deveriam ser a evolução dos lixões, pois recebem apenas inertes, ou seja, aquilo que não pode ser aproveitado e é devidamente separado e depositado em solo impermeabilizado para evitar contaminações. Já os lixões – que de acordo com a lei 12.305/10 deveriam ser extintos até 2014 em todo o território nacional – são áreas onde o lixo doméstico mistura-se aos restos de construção, pneus, materiais contaminados, vegetação, entre outros rejeitos a céu aberto.

Tudo isso pode causar incêndios, fumaça vinda do solo, mau cheiro e infestações. É um ambiente propício para o acúmulo de água parada e proliferação de transmissores de doenças. “Eu também não gostaria de morar ao lado de um lixão”, afirma Lúcia Gonçalves Dias, engenheira civil que ocupa cargo técnico na Secretaria de Meio Ambiente de Viamão, cidade onde lixo ainda significa incerteza.

Continue lendo “Situação temporária” há mais de um ano